quarta-feira, 29 de julho de 2015

Pesca ao carapau 2ºparte (iscos e engodos)



Depois da mala arrumada com os vários acessórios é tempo de preparar o engodo .O engodo é feito á base de sardinha e restos das entranhas de outros peixes . Quando em casa amanho peixe ,lulas , cavalas  e outros ,guardo  as entranhas e congelo, quando vou preparar o engodo misturo-o  ás sardinhas moídas .



No meu caso levo já o engodo feito para o pesqueiro , inicialmente moia naquelas máquinas manuais de moer a carne , mas com o passar dos anos cansei me e comprei uma eléctrica , que me poupa tempo.
Levo para cada jornada cerca de 2 a 3 kilos de engodo e faço o sempre um a dois dias antes de ir.



Preparação:
Descongelo as sardinhas e restos de outros peixes cerca de 1 hora. Apôs esse tempo trituro tudo para dentro de uma caixa plástica e volto a congelar. No dia em que vou para a pesca retiro o engodo do frio e vai congelado para o pesqueiro …. E porquê ?

Quando chego ao pesqueiro encho o balde de água  e coloco o engodo ainda congelado dentro do balde , este vai ficar a flutuar e a desfazer se lentamente. Na pesca ao carapau o que interessa é o cheiro da sardinha que fica na água ou seja o engodo ao desfazer se apenas turva a água é essa água suja e mal cheirosa assim dizendo que atrai os peixes .A “massa” grossa do engodo que vai descongelando vai acentar no fundo do balde que de vez enquando mexemos e lançamos umas colheradas. É assim, porque, se tivesse mos sempre a mandar “massa” enchia mos a barriga aos carapaus e estes comiam e iam se embora, assim andam por ali a comer apenas o isco e atraídos pelo cheiro.



Outra coisa que devemos ter em atenção é quando lançamos a primeira colher de engodo verificar como este trabalha, ou seja para que lado vai ,isso é muito importante. Também quando os peixes  tiverem manhosos de picar podemos ir ao fundo do balde e lançar uma colher da tal massa para os provoca e obrigar a entrar no pesqueiro.
Devemos de estar sempre a engodar, ou seja de 10 em 10 minutos mais ou menos dependentemente da cadência das capturas, lançar umas colheres de engodo. E quando o balde tiver menos de meio com ajuda da corda e de um outro balde pequeno adicionar mais água ao engodo este método faz com que o engodo dure a noite todo.



ISCOS
Quando a esta matéria é a mais delicada pois vai depender da zona e do costume de cada
Acho que os carapaus pegam com quase tudo o que pusermos no anzol .Sardinha , cavala , boga , frango , camarão , ameijoa branca , peixe agulha e até carapau ou mesmo o aparelho sem isco .


Costumo levar apenas camarão e frango ,depois apanho um peixe agulha escamo-o e faço 2 filetes (com pele)e corto –o aos bocados pequenos de maneira a que apenas tape o anzol. As iscadas devem de ser pequenas o que torna as ferragens mais eficazes. Durante a pesca temos que ir procurando os peixes  , pois nem sempre estão no mesmo nível da água , baixamos a boia o mais possível e depois vamos dado fundura para ver qual a posição que capturamos mais. Se utilizarem sardinha , frango ou ameijoa convém juntar uma mão cheia de sal a estes para os enrijar, pois são iscos moles e com o sal tornam se mais rijos e não caem do anzol ao lançar- mos.

MARES, MARÈS E LUAS




Para esta pesca o ideal é mar chão , aquele mar sem ondas e águas lusas esse é mesmo o ideal , as marés sempre na enchente . Como o carapau encosta á costa sempre ao anoitecer a melhor altura para ir é com  a maré vazia ao anoitecer , Depois fazer a noite com a maré a encher e até nos fartarmos ....Normalmente quando o dia começa a clarear o carapau deixa de dar.
As Luas , a lua cheia é a pior dissem os mais entendidos que espalha o peixe , antigamente podia se pescar com candeeiros perto da água para atrair os carapaus (Hoje em dia esse metodo não é permitido), mas só dava mais resultado em noites sem ou com pouca lua pois a claridade do candeeiro chamava atenção dos peixes. Ou seja as melhores luas são a nova e quartos minguantes , não quer dizer que com as outras fases eles não piquem !!! é preciso é lá ir
O vento , quando está bastante vento também não é bom .




E pronto boas pescas .............!

João Oliveira

PS: esta é a minha maneira de pescar e engodar e partilhei-a á quem pesque e engode de maneira diferente .

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Pesca ao carapau 1º Parte

Aqui vou relatar o essencial para a pesca ao carapau: materiais, montagens, engodos, iscos  e outros, é claro que cada um, dependente da zona e da aprendizagem tenham outros métodos.


O CARAPAU ( Trachurus trachurus)
O trachurus trachurus , vulgarmente conhecido como carapau ou chicharro , é um peixe teleósteo perciforme azulado da família dos carangíndeos .Com um comprimento que pode chegar aos quarenta centímetros, corpo fusiforme magro de 2 dorsais , barbatadas laterais em forma de assa ; linha lateral com grandes escamas pontiagudas que formam uma quilha ao logo do corpo até á barbatana caudal,: Cabeça grande e bicuda e com uma grande boca. Formam grandes cardumes , os adultos alimentam-se de pequenos peixes , crustáceos e moluscos , os mais jovens alimentam –se de plâncton.
È bastante comum no Oceano Atlántico a partir do norte da costa do Senegal até a Islándia  e por todo o Mediterraneo.
O carapau é a 3ª espécie mais capturada na costa portuguesa , é na pesca de arrasto que prevalece como maior captura nas zonas Norte , Centro e Algarve.
O carapau começa a dar a partir de meados de Maio principio de junho e vai até novembro consoante as temperaturas e o estado do mar.



Canas e Carretos
As Canas devem ser ligeiras e telescópicas (facilita o transporte) entre os 4 e os 5 metros de comprimento, a acção entre 20g-60g ou 10g-80g. Hoje em dia o mercado tem uma grande variedade de canas ligeiras/boia  com preços para todos os gostos  , algumas com grande qualidade  e preços acessíveis. Em caso de dúvidas consulte o vendedor de uma loja de pesca que o aconselhará a mais adequada.


Os Carretos não precisam se ser top, qualquer modelo 3000 ou 4000 será suficiente, o conjunto  cana mais carreto deve ser o mais equilibrado possível. Deve ter um bom enrolamento , alguma capacidade de linha ,boa recuperação e uma boa manutenção .

Caixa e acessórios
Para esta pesca é preciso uma caixa parecida com a da figura com pouca coisa



.Fios entre  0.20/0.25(bobine para estralhos)
.Boias de 4 a 8 gramas
.Anzois  nº  6 a nº8 finos tipo agulha
.Chumbos/ olivetis  de 2 a 6 gramas
.Faca / canivete
.Alicate / desembuchador
.Tesoura
.Starlights
.Montagens (4 ou 5 já feitas)

Além destes acessórios também é preciso uma lanterna e pilhas suplentes , uma corda para tirar água ,uma colher para lançar o engodo ,2 baldes um grande para o engodo e um pequeno para ir enchendo o do engodo. Há que utilize luvas, convém levar panos e sacos para o Lixo.

Fios
A Linha do carreto pode ir de 0.20 até 0.30, há quem pesque fino sem estralho de anzol, chamada a pesca directa, eu normalmente pesco com 0.25 no carreto e os estralhos variam entre o 0.18 e 0.24 dependente se há muita cavala ou boga. Estas ultimas são extreminadoras de linhas . De vez enquanto com a mão devemos dar uns puxões no estralho para ver se ainda tem resistência , não vá ceder na ferragem. Para poupar tempo devemos ter sempre 4 ou 5 montagens já feitas, assim aumentamos o tempo de pesca.
As linhas podem ou não ser de fluorcarbono , como esta pesca é quase sempre nocturna ser mono o fluor não faz grande diferença pelo menos é a minha opinião.


As Bóias
As boias tipo caneta são as melhores para esta pesca , mas o formato pode variar , devemos ter umas mais gordas , pois se o mar estiver agitado e um pouco de vento as mais “gordas “ são melhores porque aguentam mais mar . Enquanto as mais finas tem tendência a afundar com a ondulação sendo  instáveis . As gramagens devem variar entre os 4 gramas para mares parados e as 8 ou mesmo 10 gramas para mares 
maiores e com vento.



 Anzóis
Os anzóis é ao gosto de cada, há inúmeras marcas com medidas diferentes nos mesmos tamanhos. Devem-se usar aqueles tipo agulha que ferram melhor para este tipo de pesca. Depois de usar muitas marcas optei pelos Hayabusa EB 11911 nº6 são resistentes e penetrantes.



Montagens
As montagens podem ser simples com um anzol  ou as mais complicadas com vários , como aquelas que se se vendem nas lojas de pesca a que chamamos de aparelho.Já experimentei algumas ,nunca tive grande sucesso . Para os menos experientes convém começar com um anzol apenas , depois com o evoluir pode usar com 2 ou 3.


 Já ficamos com uma ideia do material a usar e como fazer , na segunda parte falarei do engodo , como fazer e os iscos .